Carnê do Baú fica obsoleto na terceira idade


o negócio agora é Telesena mesmo. colei a matéria inteira porque estava pra assinantes do U0L apenas. pegael.

Pilar do SBT, carnê do Baú definha aos 50

Símbolo da televisão brasileira dos anos 60, 70 e 80, o carnê do Baú é um objeto em extinção. Primeiro negócio do conglomerado empresarial de Silvio Santos e pilar da criação do SBT, o carnê só não acabou porque o Grupo Silvio Santos está comemorando 50 anos.
Desde setembro, a marca Baú da Felicidade vem passando por redefinição. As lojas em que os compradores do carnê resgatavam seus valores em produtos (mais caros do que na concorrência) viraram uma rede de varejo como as Casas Bahia. Até agora, são apenas 11 lojas de crediário, principalmente para eletrodomésticos, no Estado de São Paulo. A meta é chegar a 250 em cinco anos.
O carnê do Baú, antes vendido em abordagem porta-a-porta, agora só é encontrado nessas lojas. As equipes que antes vendiam carnês de casa em casa passaram a oferecer eletrodomésticos, em um negócio que o Grupo Silvio Santos chama de venda programada.
Diretor de marketing do Baú, José Francisco Queiróz admite que o carnê “perdeu importância”, mas nega que o produto esteja em processo de extinção. “O carnê vende o sonho de sorteio enquanto se faz poupança”, diz. “Atualmente, as pessoas o utilizam como entrada para compras no crediário.”
Segundo Queiróz, o carnê “perdeu sentido” com a estabilidade da moeda, nos anos 90, e com o acesso das classes mais pobres ao crédito.



This entry was posted in TV. Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook