Clipping indie


Annuals

Não é preciso escutar muito ao “Such Fun”, álbum nº02 da banda, para notar que se trata de um baita álbum. Conheci esse sexteto da “agitada” Carolina do Norte quando lançaram o disco “Be He Me”, em 2006, mas só fiquei encantado pelo single “Brother”. Já neste novo álbum, praticamente todas as faixas já me fisgaram em poucas audições. Tudo por causa dos arranjos bem lapidados e climas diversos. Tem indie-country quebradiço e acelerado (“Down The Mountain”), balada country de levada gostosa (“Always Do”), rockzinho 70´s quase de arena (“Talking”), balada edificante na linha de “Brother” (“Springtime”) e por aí vai.

Annuals – Confessor

Mercury Rev

Presente em “Snowflake Midnight”, “Butterfly´s Wing” mostra o Mercury Rev surfando nas ondas baleares com a suecada do The Tough Alliance e do Air France da sua própria forma. Além disso, o single também deixa estampada a tendência da banda em abandonar de vez a sinfonia majestosa de álbuns como “Deserter´s Song” (1998) e “All Is Dream” (2001) para abraçar os efeitos eletrônicos já experimentados em “The Secret Migration” (2005). O resultado chega a ser interessante, mas não prende o ouvinte por todo o álbum.

Mercury Rev – Butterfly´s Wing

Calexico

Perdoe-me santidade indie por conhecer essa banda só há algumas semanas. Nunca tive interesse em conhecer o Calexico, mas fiquei doido para baixar o sexto disco do quinteto do Arizona (“Carried To Dust”) após escutar umas músicas no MySpace deles. É a banda que melhor alinha nome à proposta musical.

Para quem não sabe, este é o mesmo nome de uma cidadezinha da Califórnia que fica na fronteira com o México (Cal-exico, A-HA!!!). Como não poderia deixar de ser, a banda abusa da metaleira mariachi e climas pra lá de áridos. Dá até para imaginar a bola de feno rolando na terra avermelhada e castigada pelo sol escaldante. É tão fascinante quanto toda essa africanidade contemporânea. E quando me refiro a africanidade não falo de Vampire Weekend, mas sim disso, disso e disso.

Calexico – Two Silver Trees

The Week That Was

Projeto novo de Peter Brewis, ex-baterista do Futureheads, que lançou neste ano o ótimo debut auto-intitulado. O álbum segue de leve a sonoridade do Field Music, seu outro projeto já finado, só que com guitarras contidas e mais pianos, bateria pungente e melodias arrendondas. Puta pepita indie hein!?

The Week That Was – Learn to Learn

Update:

Como assim pude me esquecer do clipe de “Id Engager”, do Of Montreal???



This entry was posted in Clipes, Música. Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook