A geografia do Yeasayer


yeasayer

Só dia desses fui corrigir um falha humana que durava alguns meses: conhecer de verdade o Yeasayer. Formado em Baltimore e residente no Brooklyn, em NY, o quarteto lançou o aclamado álbum de estréia “All Hour Cymbals” em outubro de 2007.

Mas foi com o estouro do irritante Vampire Weekend no ínicio deste ano que o nome da banda começou a brotar em diversos cantos da Internet. Motivo: o tal do afro-pop. Como eu torci o nariz para os vampiros, naturalmente deixei de lado o Yeasayer. Só fui consertar o erro quando baixei o álbum e fiquei chapado com duas faixas: “Sunrise” e “2080″.

A primeira tem um batidão de tambor fantástico e já esfrega na cara a influência explícita de David Byrne no vocal de Anand Wilder. A segunda é uma baladona de beleza ímpar. É música geográfica para nós, sul-americanos, separados por barreiras culturais presentes no outro lado do Oceano Atlântico. Impossível se desvincular do fator continental com tamanha exuberância exótica. [/momentopunhetalírica]

Ao vivo, o que é ótimo fica melhor ainda. Nos vídeos abaixo do Later With Jools Holland, por exemplo, o vocalista Wilder faz a linha bebum cambaleante, fortemente influenciado por Chin Gentsai, do game The King of Fighters. Brinks!

Cosplay do Chin Gentsai

Yeasayer – “Sunrise”

Yeasayer – “2080″



This entry was posted in Música. Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook

  • http://www.andrepeniche.com André Peniche

    yeasayer é foda!!!
    Eu ia postar algo sobre eles em breve, mas com esse ótimo post, vc já disse tudo!

  • Paula Hisgreek

    até que enfim alguém disse que Vampire Weekend SUCKS