Em cada geração há uma escolhida; No século XIX, ela foi JANE SLAYRE


“Primeira coisa sobre Jane Eyre, você pensa que é uma mulher… Ela não é! Ela é um ciborgue”. Se ao menos Phoebe Buffay soubesse que pouco menos de uma década depois dessa afirmação, Jane Eyre – clássica personagem idealizada no século XIX – transformaria-se em algo tão inesperado quanto… Da cooperação além-túmulo de Charlotte Bronte com a autora americana Sherri Browning Erwin vem aí “Jane Slayre”.

Se Elizabeth e Fitzwilliam Darcy podem lutar contra zumbis, o que impediria uma das mais memoráveis orfãs da literatura universal de enfrentar demônios sugadores de sangue? Em mais um ataque de terror aos clássicos da literatura vitoriana, a editora Simon & Schuster segue a onda iniciada pela Quirk Books e lança “Jane Slayre, a caça-vampiros”:

Jane Slayre, nossa intrépida caçadora de demônios, começou a infância enfrentando o vampiro que a criara. Seguindo os conselhos de seu fantasmagórico tio, a jovem Slayre decide abraçar as habilidades especiais que a distinguiriam como uma destemida heroína. Ao aceitar um emprego de governanta numa mansão familiar, ela inadvertidamente se apaixona por seu novo patrão – Sr. Rochester – e passa a ser assombrada pela descoberta de um terrivel segredo de família: um lobisomem confinado ao sótão e que antes fora conhecido com a esposa de Rochester.

Será possível que o ataque de temidos sanguessugas da noite poderia embarreirar o amor de uma donzela do século retrasado pelo homem com quem ela pretende se casar?”



This entry was posted in Livros and tagged , , , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook