Obras “perdidas” de Jack Kirby [ou] Até onde vai a ganância humana?


Não faz muito tempo desde que Warren Ellis descreveu vívidas discussões entre ele e a cabeça preservada de Jack Kirby, lenda dos quadrinhos, criador – ao lado de Stan Lee – de alguns dos maiores ícones da Marvel. O que Ellis tentou reproduzir no misto de crônica e mesa branca, os ex-parceiros de Kirby levaram além e agora planejam a ressurreição do mestre, fazendo uso da maior mágica conhecida: o capitalismo.

Durante os anos 80, Jack Kirby trabalhou junto a Joe Ruby e Ken Spears no estúdio de animação Ruby-Spears Production. Durante seus anos de serviço, criou dezenas de personagens, todos devidamente rejeitados pelos fundadores da produtora. Quase duas décadas após sua morte, em 1994, os astutos ex-parceiros juntaram-se a Sid e Marty Krofft, produtores graúdos especializados em entretenimento infantil [vide seu maior sucesso, "Land of The Lost"] para dar vida às últimas criações de Kirby e, consequentemente, lucrar em cima delas.

De exércitos vilanescos surgidos de experimentos mal sucedidos, até guerreiros maias lutando contra o apocalipse e equipes científicas infectadas por um vírus alienígena, Kirby pensou em tudo, menos que seus últimos trabalhos só ganhariam vida graças a um momento de ganância exacerbada de ex-empregadores e parceiros.

A prova roda a internet faz algumas semanas. Veja abaixo algumas das idéias de que a parceria Ruby-Spears hoje considera um “tesouro perdido”:

Se a fantasia de ressuscitar personagens rejeitados dará certo, não posso dizer. Só digo que a família do quadrinista deve é manter o advogado [que já se desdobra num eterno processo contra a Casa das Idéias] em caso de sucesso…



This entry was posted in Animação, Artes, HQ-Comics, TV and tagged , , , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook

  • http://twitter.com/thethales Thales

    Olha, o advogado já se manifestou sobre o caso dizendo que a família nada pode fazer já que ele criou esses personagens para a empresa em regime de contrato. Resumindo, ele disse que se o Kirby recebia salário e seguro de vida [ou seja, era empregado da empresa], eles podem usar os personagens.

    []s

  • Denis

    Algo me diz que não existem limites para o Direito, rs. Ainda mais nos EUA, qdo um quer processar, dois não entram em acordo, ainda que a produtora esteja “com a razão”.