A nova capa do Super-Homem do povo


Saiu a capa do novo Action Comics #1, que sai em setembro com roteiro do Grant Morrison e arte do Rags Morales dentro da reforma editorial e mercadológica que a DC Entertainment (ex-DC Comics) promove pra recuperar o primeiro lugar no market share do mercado agora que a Warner acordou (depois de a Disney comprar a Marvel) pro fato de ter um belo celeiro de propriedade intelectual nas mãos há muitos anos.


É o título mensal que mais estou esperando – fanboy do escocês que sou – e promete mostrar os primeiros passos (ou saltos) na carreira de herói do kryptoniano que escolheu proteger a Terra, mostrando-o mais como o herói proletário que ainda desperta desconfiança mas ajudando as pessoas não só a se defender de grandes vilões mas dos pequenos corruptos do dia-a-dia. A influência vem do arquétipo do lenhador\ homem comum Paul Bunyan, do Bruce Springsteen (cantor-símbolo do trabalhador “blue collar” médio americano) e da própria encarnação inicial do Super-Homem de 1938.

Se parece algo muito distante pensar em um presente que bebe dos anos 30, sempre bom lembrar que os EUA passam por uma nova Grande Depressão nesses anos 2010 – e que o Futurismo atual tem bebido daquela época (ouça o disco de estreia da Janelle Monáe). E esse visual não é nada vindo do seriado Smallville, que levou 10 anos pra mostrar o Super na velha roupa azul e vermelha, mas justamente esse conceito “do povo” na prática. É bem legal como o Morrison quando pega um personagem, ou volta a ele no caso, vai nas raízes pra ver como sua mecânica funciona pra trazer seus conceitos básicos de novo.

Ok, antes que isso vire um rant de 1000 palavras, fica com a imagem-teaser da divulgação inicial, ainda mais interessante e icônica dentro da proposta, e cujo estilo remete ao do Wally Wood – inclusive até ao da antiga paródia Superduperman. E isso foi um elogio.



This entry was posted in Design, HQ-Comics and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook

  • Rodolfo S Filho

    Só acho a capinha ridícula. Espero que tenha uma justificativa diegática boa, porque está feia demais!

  • Rodolfo S Filho

    Só acho a capinha ridícula. Espero que tenha uma justificativa diegática boa, porque está feia demais!

  • Anonymous

    também preferia sem, nesse primeiro momento. quando adolescente fiz umas anotações sobre como seria legal ele usar uma roupa exatamente assim.

    mas acho que a capa vai ser tipo kilt de Krypton, parte de traje típico regional.

  • Leo

    Também não gostei da capa, mas acho que ela foi usada mais para diferenciar o Super-Homem do SuperBoy, que já utilizou esse visual mais urbano, sem capa e de camisa preta.
    Bom, não sei, espero que seja isso mesmo. Só isso pra justificar essa capa tosca.

  • Pingback: Grant Morrison no iate do CBR com Jonah Weiland