A campanha política e o design


Como designer, nunca achei que um dia faria material para campanhas políticas, e muito menos que gostaria de fazer.

Trabalhando numa agência de comunicação que faz campanhas há anos, já ouvi falarem aqui: “A fulana de tal não foi eleita porque o material dela estava muito bonito, perdemos a eleição por isso e a culpa foi nossa”. A teoria é de que se você vai na favela e entrega um panfleto impresso em papel com verniz, uma coisa simples assim, você perde eleitores que podem pensar que você gastou mais dinheiro nesse panfleto do que deveria.

O que estou aprendendo é que em campanha política nada pode ser muito moderno, muito estiloso, muito colorido, muito…bonito.

Ainda to tentando me acostumar com a idéia de que, em geral, as pessoas relacionam “bonito



This entry was posted in Design, Política. Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook

  • http://www.twitter.com/roger_brandao Rogério

    bem legal você mostrar essa percepção do mkt político. eu jamais imaginava que o pessoal com menos condições pensava esse tipo de coisa em relação aos caprichos visuais.
    por isso que acho que o voto deveria ser facultativo.

  • Thiago

    é todo um estáile inconfundível esses santinhos bwahaha…

  • Marcos

    estou numa agência de comunicação também e não num escritório de design. Aqui uma das frases mais ditas é: não, o público não entender, tem de ser mais óbvio (feio). Sinceramente acho que nós temos o papel de sempre prezar pelo bom design, que aposta na inovação. A causa que produtos com apelo popular serem feios é que em sua maioria quem desenvolve estes materiais são micreiros, que muitas vezes não detém conhecimento suficiente para fazer algo legal e não escritórios de design

  • http://www.richarley.com.br/ Richarley Menescal

    Acredito que o peso de influencia do material de uma campanha esteja mais relacionado a quantidade do que qualidade. Quanto mais um candidato aparece, mais chances ele terá de ser lembrado pela grande massa da população que só acompanha superficialmente o decorrer de uma eleição. E aí que está, se os custos de 500 santinhos do candidato A feitos com um material mais bacana for equivalente aos custos de 1000 santinhos do candidato B feito com material vagabundo, eu entenderia se esse último fosse eleito e o primeiro não.

    Obs.: Economia de custos não é desculpa pra fazer material feio.

  • http://hectorlima.com HectorLima

    mas vcs entenderam o ponto da Mari, né, que independente da capacidade do designer do material de campanha – quanto mais feios os designs mais ‘street cred’ o candidato tem com o povão eleitor. é a simplificação extrema do meio pra aumentar o alcance da mensagem.

  • Mari Nóbrega

    exatamente o que o hector disse. eu sei que os custos de material são diferentes, óbvio, mas estava falando mais da questão do design em si. o que o pessoal das agências e mesmo alguns candidatos acham, e que eu não concordo, é que o povão se “identifica” mais com um design mais simples, como é feito na maioria das campanhas. as campanhas mais sofisticadas, tipo a da marta suplicy, são geralmente de políticos já “consagrados”, que não dependem do visual pra se eleger.

    eu ainda acho que a opinião e percepção das pessoas é subestimada.