TRON – O LEGADO infelizmente é um Macbook rodando Windows 3


A brincadeira “TRON – O LEGADO em estilo 8 bits” do vídeo abaixo tem só 20 segundos e foi feita em cima de gráficos do MEGAMAN mas admito – com dor no coração – que me divertiu mais que as 2 horas do filme que foi a maior decepção de 2010. História fuleiríssima, interpretação abobalhada de Garrett Hedlund – seu pai na história Jeff Bridges até que fez o que pôde como a versão Dude do hacker-zen Kevin Flynn – e o mundo virtual de computador tunado da Apple não colabora; todo o preto em contraste com cores primárias brilhantes além de anular o 3D ficou uma atualização zoada, quase cafona, de todo um conceito que era camp-cool – mas que agora é só camp.

O enredo que move a trama não tem muita ligação com o original, mas com um flashback ocorrido em 1989, o que dá a esse filme uma cara de parte final de uma trilogia cuja parte 2 nunca vimos. Isso foi um pequeno spoiler, mas a menção é necessária pra ver a bagunça em que a produção joga o espectador.

Sobra a sensacional trilha da dupla Daft Punk [protagonista de uma das cenas mais ridículas do filme], que conseguiu me transportar a outro mundo em caminhadas sob as luzes de Natal da avenida e dá um clima soturno, “frio” e retro-cool a várias cenas mas não salva muito as cenas de ação que empolgam tanto quanto um game no modo easy.

Talvez a “culpa” tenha sido do diretor estreante Joseph Kosinski, mas o roteiro que passou por seis mãos não ajuda; é difícil tentar convencer uma platéia de 2010 que é legal o conceito de um sistema fechado que se dá auto-upgrade sem internet e a relação entre usuários e programas sem levar em consideração a idéia de jogos e avatares que hoje são tão comuns. Até o episódio do SOUTH PARK que zoa o Facebook e Farmville usando o ambiente de TRON parece mais relevante.

Talvez seja pedir demais de uma Fantasia infanto-juvenil, mas a proposta se leva a sério em um nível quase MATRIX sem o que aquele filme de 1999 alcançou, nem o charme divertido do TRON original. Senti como se alguém tentasse te vender um Macbook usando como sistema operacional o Windows 3 sem conexão de Ethernet, WiFi, Bluetooth ou USB. Uma pena, porque entrei na loja querendo muito comprar esse gadget, mas só o vi travando. Queria evitar o sentimento ludita, mas pra evitar a maior decepção de 2010 é melhor tirar a poeira da máquina original.



This entry was posted in Cinema, Críticas, Design, Música and tagged , , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook