Onde a série The Event quer chegar? Nesta Sexta, pelo menos, é no Brasil


Isso aqui não era o evento não
A série “The Event”, que estreia no Brasil nesta sexta-feira, foi recebida como mais uma candidata à vaga deixada por “Lost” no ano passado – embora, na verdade, seja uma substituta da finada “Heroes”. Olhando rapidamente, os elementos estão todos lá: um pouco de mistério, um pouco de sobrenatural, aquilo que os americanos chamam de “ensemble cast” (ou um elenco de atores dividindo de forma equilibrada o tempo de exposição e a importância na trama) e, claro, muita divulgação.

A campanha de marketing ficou conhecida pelos vários clipes anunciando coisas que não eram o tal evento: o sequestro da namorada não é o evento, o atentado ao presidente não é o evento, etc etc etc. Porque o evento deveria ser muito incrível e complicado.

(Se você tem idade para isso, deve ter se lembrado da propaganda de “Matrix” dizendo que não é possível explicar o que era a tal Matrix e que você teria que ver você mesmo. Aham. Quem aí explicou pra mãe o que era a Matrix assim que saiu do cinema? o/)

A campanha também incluiu a exibição do piloto durante a Comic Con – uma sábia decisão recompensada com aplausos, elogios de colunistas especializados no gênero e tweets positivos.

(Por aqui, a campanha inclui teaser patrocinado nas sugestões do YouTube!)

Esse aquecimento reforçou a dúvida: será que vale a pena se envolver com mais uma série prometendo complicar a sua vida com perguntas e devolver poucas respostas?
Isso aqui também não era o evento
Os primeiros episódios
Quatro episódios já foram ao ar nos EUA antes da estreia na TV a cabo brasileira. Para quem vai começar agora, fica o aviso: o piloto picotou a linha narrativa e depois brincou de quebra-cabeça, voltando e avançando no tempo até você considerar a possibilidade de começar a anotar seu próprio guia. Guia? #lostfeelings…

Mas não se engane com a cara de complicada de “The Event” – para falar a verdade, essa estrutura de flashbacks parece muito mais complicada do que a história em si.

Uma das diferenças de “The Event” em relação a “Lost” ou mesmo “FlashForward” (a mal-sucedida série que o canal ABC cancelou após apenas uma temporada e três trocas de direção) é que, desta vez, o telespectador recebe algumas respostas antes de conhecer a nova pergunta (toma essa, “Lost”/“Arquivo-X”!). Isso reduz a complicação, mas também pode tirar o interesse na história. Talvez seja por isso que os roteiristas estão entregando uma coleção de elementos que podem fazer você voltar ao sofá na semana que vem.

[SPOILER - selecione para ler] Agente duplo infiltrado? Tem. Ambiguidade nos papeis de mocinho/bandido? Tem. Conspirações e mais conspirações no governo norte-americano? Tem. Alienígenas? Tem. Analogia com uma situação política real? Tem. Uma reviravoltazinha de vez em quando? Tem. Um final de episódio WTF? Tem. Helicópteros negros? SIM, TEM! [/SPOILER]

A série também tem problemas, claro. Sean Walker (Jason Ritter), destacado como personagem principal, vem evoluindo a cada semana após um começo nem tão empolgante assim – mas outros, como o presidente Elias Martinez e a líder do grupo de prisioneiros Sophia, tiveram seu desenvolvimento estagnado e estão bem abaixo do que os atores Blair Underwood e Laura Innes podem oferecer.

O maior problema é que cada elemento parece promissor – mas todos os elementos juntos ainda não formaram uma história tão envolvente quanto a campanha de divulgação prometia. Resta torcer para que os flashbacks ajudem a desenvolver os personagens, já que isso costuma fazer com que a gente ligue um pouco mais para o que está acontecendo com eles.

Mas vai chegar a algum lugar?
Tudo bem, algumas respostas vêm sendo entregues ao telespectador com certa frequência – mas a história está longe de ser resolvida. Qual é a garantia de que “The Event” vai durar o suficiente para contar tudo?

Pois é, não existem garantias neste momento. O que se sabe é que quatro episódios já foram exibidos, mais alguns estão produzidos e o canal NBC (que exibe a série nos EUA) ainda não mandou fechar tudo (e, sim, três séries novas já foram canceladas antes do quinto episódio – “Outlaw”, “My Generation” e “Lone Star”). Mas ainda não dá para apostar em uma temporada completa (22 episódios).

O motivo para a dúvida é a audiência. O episódio de estreia teve recepção razoável, mas os números despencaram nas semanas seguintes para pouco mais da metade da audiência do piloto. Atualmente, “The Event” perde feio para a competição “Dancing with the Stars” e também fica atrás das sitcoms “Two and a Half Men” e “Mike & Molly” – pouco para uma série tão ambiciosa.

“The Event” ainda está acima dos números da última temporada de “Heroes” (série que foi substituída na grade do canal NBC por “The Event”), mas vale lembrar que os irmãos Petrelli e a cheerleader registravam mais que o dobro de telespectadores em seu ano de estreia.

Pelo lado positivo, o canal NBC é um pouco mais modesto e compreensivo que seus colegas Fox e ABC. Além disso, ter um grande drama com um grande elenco pode “pegar bem” para a imagem da emissora. E quase dá para confiar em pelo menos 13 episódios – número considerado mínimo para a venda de DVDs (esse é o tipo de série que se dá bem na venda de caixas).

Pelo menos por enquanto, “The Event” não está na lista dos desesperados.

A série estreia nesta sexta, dia 18, às 22:00, no Universal Channel.

[compre: DVDs das séries LOST e HEROES]



This entry was posted in Críticas, TV and tagged , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook