Lady Gaga dá luz a monstro alienígena clonado no clipe de Born This Way


Saiu o clipe de Born This Way e adivinha só, é o melhor de Lady Gaga até agora. Infelizmente ele não melhora a música, que continua um pastiche ruim de Express Yourself de Madonna. A diferença é que agora ela assume claramente a referência, enquanto sampleia a estética de Janelle Monae e do filme Duna:

No vídeo, dirigido por Nick Knight a partir de roteiro da própria Gaga, conhecemos a lendária e épica história – narrada pela própria Stefani Joanne Angelina Germanotta – sobre Mother Monster, uma rainha alienígena (praticamente uma matrona do planeta Arrakis) que – durante a “mitose do futuro” – dá a luz a uma nova raça. Uma intra-raça “sem preconceito”, mas que vem junto com “o mal”, pois a MM se dividiu em duas, e o mal vem na forma dela mesma em versão caveira-aracnídea, junto de Rick Genest, o Zombie Boy, com quem ela trabalhou em um ensaio de moda.

Quando começa a música em si, tida como um hino contra a homofobia, Gaga chega e dança como a alienzinha sexy e meio travesti, nascida do ovo no Grammy, filha de si mesma através da clonagem. Processo do qual ela entende bem: ela se mostra como produto de linha de montagem – a firmação de que “nasceu assim” parece ter mais a ver com esse auto-reconhecimento como diva pop feita do recorte e colagem de outras divas. Consagradas como Madonna, com quem tem essa relação de admiração e rejeição – ou Janelle Monae, com quem não tem relação alguma, mas de quem viu que se pode tirar a referência épica de futurismo-vintage.

O maior resultado da mitose do futuro da Rainha Monstra não é uma raça sem preconceitos, é uma raça de súditos que segue cegamente a Mãe Monstro para onde quer que ela aponte, maravilhados com a promessa de liberdade. Gaga está aprendendo com Madge a coletar amostras dos objetos que orbitam o planeta Pop e aplicar no DNA dos clones de si mesma. Ela se tornou o Monstro da Fama que se propôs a ser, uma alienígena com o poder de mimetizar características de outros seres para sobreviver. Cuja meta-proposta é ser meta-produto, no limite da ironia e da sinceridade, entre ser consumida como lixo descartável e admirada como objeto de Arte.



This entry was posted in Clipes, Críticas, Música and tagged , , , , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook

  • http://www.interney.net/blogs/maximumcosmo Alexandre

    Pelo menos Janelle Monae é musicalmente interessante. Não posso dizer isso de Lady Gaga.

  • http://acougue-enfermaria.blogspot.com camila torrano

    Acho que os clipes dela já tiveram melhor Direção de Arte. Honestamente, este clipe foi uma decepção.

  • Pingback: Katy Perry vira borboleta e Kanye West taxista espacial graças a Floria Sigismondi

  • Juan_ssilva

    Discordo de vocês, na minha opinião esse novo álbum da gaga foi bem mais explosivo do que o anterior, talvez se vocês procurarem entender melhor sobre ”monstros” na literatura e consequentemente na sociedade, vocês tenham uma percepção melhor do que realmente essa ”ridícula loura” como dizem algum quer realmente passar para essa sociedade medíocre a qual vivemos…