Jurados tentam salvar “American Idol” do mau gosto


Essas pessoas salvam American Idol?
A ideia do “Judges Save” é a seguinte: até a semana do top 5, os jurados têm a oportunidade de cancelar a eliminação do candidato menos votado. Ou seja: se os jurados assim decidirem, ninguém vai para casa em uma das semanas de “American Idol”. Como consequência, a semana seguinte terá uma eliminação dupla (garantindo que o número total de semanas não seja alterado).

Quando apresentou o conceito do “Judges Save” na temporada passada, Ryan Seacrest lembrou aos fãs sobre eliminações chocantes ocorridas em cada edição de Idol: Jennifer Hudson (AI3) e Chris Daughtry (AI5). Vale lembrar que o Daughtry não poderia ter sido salvo porque foi eliminado na semana do top 4. Vale reforçar que os dois são mais relevantes do que ¾ dos campeões até agora.

Vale notar que Hudson e Daughtry representam dois cenários clássicos de eliminação de candidatos melhores do que muitos dos que ficaram: o voto dividido (Hudson era uma das “três divas” da terceira temporada, ao lado de LaToya London e da futura vencedora Fantasia Barrino) e a falsa segurança gerada pela boa apresentação de um favorito (Daughtry era considerado garantido para a semana seguinte, fazendo com que muitos fãs votassem em seus outros escolhidos, considerados mais fracos).
Jennifer Hudson (AI3) e Chris Daughtry (AI5), os filhos ilustres
Assim, o “save” tem a função de corrigir uma tremenda falta de sorte de um bom cantor.

Mas a decisão deve ser unânime (isto é: Simon, Randy, Kara e Ellen devem concordar que aquela pessoa deve ser resgatada do engano público). E só existe um cartão de saída livre da prisão. Isso faz com que se tome um pouco mais de cuidado no uso – gastar o “save” muito cedo com um candidato mediano pode significar o sacrifício de um favorito algumas semanas depois. Na temporada passada, o “save” só foi usado na semana do top 7, quando Matt Giraud foi o menos votado.

[Coincidência um pouco desanimadora: Giraud foi eliminado em sua semifinal, mas ganhou uma segunda chance como “wildcard” dos jurados. Depois, foi eliminado na semana “músicas do cinema” e ganhou sua terceira chance com o “save” do jurados. Finalmente, foi eliminado – para valer – na semana “rat pack”. Com isso, ganhou o estranho privilégio de ser rejeitado TRÊS vezes pelo público.]
Matt Giraud (AI8), o rejeitado
Neste ano, o “save” já foi usado agora, no top 9 (por motivos que serão discutidos neste sábado no Cola no Idol). Isso significa duas eliminações na próxima semana. Isso significa que não existe mais um “seguro” protegendo as favoritas Crystal Bowersox e Siobhan Magnus.

Problema? Nenhum. “American Idol” passou sete temporadas sem o artifício. Vale apontar que quem merecia uma segunda chance – de novo: Daughtry e Hudson – sobreviveu muito bem sem o “save”.

E o Matt Giraud, que não é mau cantor, ainda está atrás daquele contrato de gravação. Então vale repetir a explicação que o próprio Simon Cowell deu à Rachel Adedeji no último “X Factor”: às vezes o público simplesmente não consegue te acolher.

A partir da próxima semana, o problema não será a falta do “save”, mas a falta de votos. Deem à América o que a América quer! E se a América quiser um Justin Bieber de 20 anos…

O sorriso vencedor de Tim Urban



This entry was posted in Críticas, TV and tagged , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook