Jurados de “American Idol” pedem consistência, mas ficam devendo


Eu, você e a sua mãe (a minha mãe nem tanto, porque ela odeia Idol) achávamos que a Paula Abdul era a jurada mais inútil de “American Idol”. Até que ela cansou de ser enrolada pelos produtores, decidiu não renovar o contrato e meudeusdocéu estamos sentindo falta da Paula!

Não sou só eu. Não é só você. E não é só a sua mãe. Como mais poderíamos explicar que o Randy começa um comentário dizendo “em primeiro lugar, você está muito bonita hoje”? Como explicar os elogios de Simon aos olhos da Lacey Brown na semana passada – quando não havia nada de positivo sobre aquela tragédia que tentava se passar por “Landslide”? Como explicar a Kara se inspirando em Papai Noel de shopping center enquanto cortava a Angela Martin? E como explicar a postura cada vez mais paternal de Ryan Seacrest – respondendo ao Simon ‘todo-poderoso’ Cowell após as críticas (merecidas) feitas à apresentação de Haeley Vaughn, consolando a chorosa Didi Benami e pedindo aplausos a todos os candidatos que foram atropelados pela máquina do júri?

É uma ironia que a saída de Paula Abdul também tenha roubado o pouco de pensamento lógico que restava aos jurados. Apesar de alguns comentários na mosca aqui e ali, essas duas primeiras semanas ao vivo estão confundindo fãs e cantores. Tudo o que é dito às garotas é traído quando os garotos cantam. Tudo o que é proposto em uma semana é ignorado na semana seguinte.

Se os jurados dizem isto nesta semana… … irão reclamar disto aqui na próxima
Está muito karaokê, muito singalike; não foi original. Você assassinou a música.
Simplesmente não trouxe nada de novo. Por que você não tenta simplesmente cantar a melodia, sem essa ginástica vocal?
Você precisa começar a se definir como artista. Nós ainda não sabemos quem é que você é, quem você quer ser. O seu problema é que você não nos surpreende. Você precisa sair da sua zona de conforto.
Uau. 16? Você é realmente madura para a sua idade. 16 anos e cantando desse jeito! Uau… Você precisa ser mais jovem. Quantos anos você tem? 16? 17? Por que você não canta uma música para a sua idade?
Vocês sabem que competidores de outros anos, como David Cook e Adam Lambert, mudaram o que se espera de vocês. Não adianta só cantar. Mostrem um pouco de artistry! O resumo é: this is a singing competition.

Mas nem tudo está perdido. Daqui a duas semanas, os 12 finalistas passarão a se apresentar na mesma noite – o que possivelmente forçará os jurados a serem um pouco mais coerentes.

Quem sabe o Randy Jackson – aquele mesmo que banalizou a standing O com o Mike Lynche – perceba que até a “Walk Away” nem-tão-especial da Paige Miles foi melhor do que todos os minutos da noite da terça-feira. Quem sabe a Kara perceba que a interpretação da Paige é um momento da cantora Paige Miles, e não da compositora Kara DioGuardi.

Quem sabe o Simon volte a ser o jurado sensato que entende que standing O só deve ser feita em verdadeiros “Idol Moments”.

Leia no sábado o Cola no Idol sobre a segunda semana das semifinais de “American Idol”.

[compre: DVDs de AMERICAN IDOL]



This entry was posted in Críticas, TV and tagged , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook