Goma-visão #24 – Eles estão entre nós e a culpa é sua!


Essa semana elas retornam de um tenebroso período de hibernação, tanto para seus desfechos quanto para suas novas temporadas. Todas unidas na missão de conseguir audiência suficiente para cruzarem a barreira do cancelamento rumo ao próximo ano. Caso sua série favorita não sobreviva ao corte, não se aflija! Saiba que numa dimensão alternativa, onde outras decisões foram tomadas e Eric Stoltz estrelou “De Volta para o Futuro”, ela pode ter uma longa e saudável duração. Ou…

Na goma-visão de hoje teremos 10 Things I Hate About You, Lost, V, Fringe, The Vampire Diaries, Smallville e Stargate Universe. Todas envolvidas numa trama multidimensional de spoilers:

10 Things I Hate About You“Da Repercussions”
Jamais imaginaria que uma despretensiosa adaptação de “A Megera Domada” feita para adolescentes seria pano de fundo para uma das séries mais interessantes do midseason passado. De volta após uma curtíssima primeira temporada, Kat, Bianca e Patrick Verona garantiram alguns dos mais hilários momentos da minha semana continuando a trama que culminou na suspensão da mais obsessiva irmã Stratford [invadir a escola para fazer uma prova, sério?]. Provando que a rivalidade das irmãs continua comicamente afiada, a ABC Family acerta nos diálogos rápidos, cheios de referências pop e transbordando animosidade. Não tem como não amar.

Lost - “The Package”
De volta ao presente e aos flashsideways que dão força a derradeira temporada, ‘Lost’ finalmente focou no casal mais envolvente do elenco. Seja no universo em que o avião caiu, seja no universo em que ele chegou a Los Angeles, Sun e Jin continuam um casal apaixonado que constantemente batalham – cada qual a sua maneira – para se reencontrar. Desviada do paradigma de que a ciência explicará tudo, a série dá braçadas na direção do inexplicável forçando Sun a dar uns vinte passos atrás em coreano. E somente em coreano. Diz o cara que fala com os mortos: ela bate a cabeça e acorda sem saber falar inglês? A gente vai ter que engolir isso? Vai sim, Miles. Feche os olhos e abrace o nonsense porque Charles Widmore está vindo com tudo, trazendo sua mais perigosa arma: Desmond Hume. É, eu sei, estou acendendo velas para que esse final não seja desastroso.

V“Welcome to the War”
Então é assim que Anna faz sexo? Ok, embarcamos na zona do “eu queria não ter visto isso”. Na mudança de cabeças por trás do enredo conspiratório de ‘V’ ganhamos um novo membro da equipe que poderá dar um cursinho relâmpago sobre terrorismo para Erica e Ryan. Por mais empolgante que tenha sido ver a agente do FBI chutar traseiros [né?] alienígenas em sua sala de estar, faltou alguma coisa nesse retorno e eu ouso dizer aqui, faltou “realismo”. Denis, naves gigantes surgem pairando capitais do mundo [O Rio de Janeiro deve ser uma capital pra eles] e humanóides reptilianos se infiltram entre humanos e você pede realismo? Peço sim, porque é fisicamente impossível que seres tão inteligentes não possam acessar câmeras de segurança externas ao armazém no qual guardavam o extrato de seu plano de dominação para identificar os responsáveis pela explosão. Senta lá, Anna.

Fringe“Peter”
Fica aqui esse espacinho para o melhor episódio de ‘Fringe’ desde que a série começou e poucos acreditavam que ela daria certo com tantas similaridades com ‘Arquivo X’. Quem diria que focar em carecas interdimensionais e não em homenzinhos verdes daria tão certo? No episódio que mostrou como tudo começou, percebemos que Walter Bishop realmente não era tão mau quando eu o imaginava. Apesar de seu intelecto sem paridade, o ego do cientista era bem mais controlado do que fomos forçados a acreditar. Contentando-se em espionar um mundo paralelo mais avançado [mas que não avançou o suficiente para reproduzir a janela dimensional], Walter procurava pacificamente a cura para seu Peter, chegando a aceitar sua morte de maneira nobre. No entanto, provando que a máxima científica de que o observador às vezes interfere com o objeto, Walter perigosamente se viu forçado a cruzar dimensões para resgatar o outro Peter da desatenção de Walternative [rá!]. Sinto que a nobreza do nosso Bishop não será tão apreciada pelo seu duplo. Peter é importante? Fiquei curioso. E mais, se a lei da compensação existe, isso significa que uma criança do nosso mundo foi sugada para a outra dimensão? Fringe voltou:

The Vampire Diaries - “There Goes the Neighborhood”
Será Melinda Clarke especialista no papel de mãe disfuncional ou sou só eu que só a enxerga nesse papel? Quase tive pena de Damon Salvatore por embarcar no expresso Cougar Town por breves 3 minutos. Apesar da falta de ação costumeira, “There Goes the Neighborhood” não foi o mais fraco dos episódios da temporada justamente por nos apresentar a dois novos e cruciais elementos: 25 vampiros querem retomar Mystic Falls e uma delas [Kelly Hu] é consideravelmente mais forte do que Damon e Stefan juntos. E esses 25 podem facilmente se tornar 26 já que o irmãozinho Jeremy tem planos de se tornar um vampiro, mesmo que eles sejam facilmente vencidos pelo sangue da Paula Abdul [/interna].

Smallville - “Escape”
Lois e Clark se hospedam numa pousada tipicamente [?] irlandesa até que a repórter mais intrépida do Planeta Diário é transformada numa banshee prateada. WTF? Tive sérios espasmos de vergonha assistindo a retomada de ‘Smallville’. Depois de uma primeira metade da temporada tão cheia de momentos contundentes, voltamos ao roteiro “Lana virou vampira ao ser mordida por Buffy Sanders” [jamais perdoarei esse episódio grotesco]. Podendo explorar o relacionamento de Chloe com Oliver de forma bem mais aprofundada, os roteiristas da vez nos decidiram entregar um pastiche de 41 minutos que prestou um enorme desserviço à trama principal. Ah e agora sabemos que Clark consegue controlar seus poderes e está livre pra… eu me recuso a continuar essa mini-resenha. Próximo!

Stargate Universe“Space”
Muitos apontaram o dedo na cara de SGU acusando-a de não puxar nem tanto para a comédia de suas antecessoras e nem tanto para a aventura de sua outra inspiração, ‘Battlestar Galactica’. Pois é, quem ri agora são os roteiristas do emocionante “Space”. Alienígenas assustadores, batalhas espaciais, twists e punhaladas nas costas rechearam o melhor episódio da série até agora. Definitivamente distantes dos aliens limpinhos que falavam inglês lá em ‘Stargate SG1′, a nova série do SyFy nos entrega um universo verdadeiramente desconhecido e inóspito como jamais vimos antes. No centro da ação, cercados de intrigas, personagens tateiam pelas sombras tentando se agarrar a esperança de que um dia voltarão para casa. Algo que muito provavelmente não acontecerá para todos. E sim, isso é bom.

Na próxima: Tenha medo, tenha muito medo!



This entry was posted in Críticas, Goma-visão, TV and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook

  • http://hectorlima.com Hector Lima

    po, tô defasadaço de FC, preciso começar a ver FRINGE, V e SGU de uma vez! tuas resenhas me empolgaram.

  • rogério

    Hector, você já sabe tudo de Fringe mesmo sem ter visto. Nhé! As surpresas da 1ª temporada e a season finale vão perder o gostinho pra você. =(

    Denis, acho que enxerguei o caráter do Bishop de uma forma diferente. Ele foi maleta e se achou Deus com a loira e a Nina Sharp. Só que rolou aquele mea-culpa triste de doer durante a conversa com Olivia. Pelo menos foi essa imagem dele que construí depois de nossos papos e que se concretizou neste episódio.

    Falando em Nina Sharp, aquele acontecimento foi a cereja no bolo. Trabalho sensacional dos roteiristas de contextualizarem a deficiência dela. Amey!

  • Mané Gouveia

    Desmond Hume virou ator pornô avantajado? Ele é o Kid bengala do Lost? Só assim para entender a encheção que foi o tempo todo falando do “pacote”. Lost se perde de vez em seus estertores finais…

  • http://meadiciona.com/deniscp/ Denis Pacheco

    @Hector – Fringe e Caprica, eu recomendo. SGU eu peço que aguarde e V eu não arriscaria.

    @Rogério – Eu imaginava o Walter totalmente mergulhado no complexo de deus. mas nao achei q o episódio focou isso. ele era bastante centrado e perdeu a cabeça somente qdo o outro Peter estava para morrer. Senti ele desesperado , mas nao arrogante como imaginava. Achei q o ep foi uma grande defesa do personagem. Ele manteve o Peter pela esposa… isso matou.

    @Mané – Se o Desmond tem “o pacote” entao “Not Pennys boat” vai voltar por ele, rs