Com o futuro garantido, “Glee” revisita o passado no final da temporada


Em maio de 2000, uma série de TV chamada “Sports Night” chegava ao fim, após duas temporadas. A dramédia, com Josh Charles (“The Good Wife”), Peter Krause (“Parenthood”) e Felicity Huffman (“Desperate Housewives”), mostrava os bastidores de um noticiário esportivo fictício, exibido no igualmente fictício canal CSC. Nos últimos episódios, enquanto a série real caminhava para o matadouro, o noticiário fictício também se via ameaçado com a venda do CSC. Ao final, “Sports Night”, a série real, acabou – mas “Sports Night”, o noticiário fictício, teve uma nova chance.

'Don't Stop Believing', no piloto de 'Glee'

A situação de “Glee”, na noite desta terça-feira, era oposta. No colégio fictício William McKinley, o “clube do coral” (como é chamado na dublagem brasileira) New Directions se preparava seu maior desafio: a seleção regional, contra os favoritos do Vocal Adrenaline. A derrota não significava apenas ficar de fora do concurso nacional: o diretor do colégio já havia avisado que o New Directions seria extinto se não vencesse.

Mas, na vida real, “Glee” já está garantida para mais duas temporadas. É um belo feito para uma série musical que estreou com apenas meia temporada encomendada e um elenco de virtuais desconhecidos.

'Glee' vende até colchão

“Glee” chamou a atenção antes mesmo de sua primeira exibição, quando os primeiros comerciais começaram a pipocar nos intervalos da Fox norte-americana para anunciar a exibição do piloto após a final de “American Idol”. A gigante audiência de “Idol” ajuda, mas vale lembrar que nem toda série que estreou nesse horário prosperou. Precisa de um exemplo? “Life on a Stick”. Quer mais um? “New Amsterdam”. “Point Pleasant”. E outros tantos que nem chegaram à TV brasileira…

Mas a reação obtida por “Glee” foi bastante positiva, e os produtores souberam manter a série em evidência durante os três meses de espera até o início real da temporada. O elenco participou dos anúncios do canal, fazendo apresentações. Promos rápidos continuaram na TV e na internet. Na internet, aliás, comunidades e vídeos faziam sua parte para manter a expectativa lá em cima.

'Glee' também é Gaga

Após o sucesso dos primeiros 13 episódios encomendados (concluídos com a conquista dos Sectionals), a série ganhou os 9 episódios que completam uma temporada. O problema é que, de novo, haveria mais quatro meses de espera até que a segunda metade fosse exibida. Mas “Glee” não saiu do noticiário de entretenimento nesses meses todos – com capa de diversas revistas (incluindo a Rolling Stone), vendas poderosas de música e muita informação sendo antecipada aos fãs.

Aliás, as listas de músicas vazam com muita antecedência, e faixas inteiras são disponibilizadas em canais oficiais alguns dias antes dos episódios – mas nem isso parece tirar o fôlego da série. Retornando em abril, nos EUA, “Glee” passou a dar mais audiência do que tinha antes das férias – contanto até com a ajuda de outros seriados do canal, que tiveram episódios especiais.

NPH encara seu novo arqui-inimigo

E parecia que “Glee” simplesmente não errava nunca, com boas histórias (Kurt fazendo o time de futebol americano dançar “Single Ladies”) e bons solos (Rachel cantando “Don’t Rain on My Parade”). A Madonna aprovou um episódio dedicado a seus sucessos. A Lady Gaga se derreteu quando suas músicas e figurinos serviram como inspiração em outra semana. O Neil Patrick Harris marcou participação especial (em episódio dirigido por Joss Whedon, com quem havia trabalhado na websérie “Dr. Horrible’s Sing-Along Blog”). Estrelas da Broadway (e ex-companheiras de palco em “Wicked”), Kristin Chenoweth e Idina Menzel tiveram seus próprios arcos.

Não errava nunca? Até errava. Sue Sylvester encarnando Madonna foi um marco, mas Sue Sylvester duetando com Olivia Newton-John pareceu uma sequência forçada para o sucesso do primeiro número. Mercedes cantando “Beautiful” foi respeitável, mas a história tocando em anorexia foi mais um caso de “anúncio de utilidade pública” que estava saturando a narrativa (inclusão, sexualidade, distúrbios alimentares, garoto paralisado cantando “One”…). O tom caricato de “Glee” também avança no exagero inocente: a “vilã” Sue Sylvester sempre consegue o que quer; o diretor Figgins teve medo da “vampira” Tina. E quantas vezes é preciso fazer o sr. Schuester cantar um rap constrangedor?

Sue Sylvester é fierce

Mas o final de temporada resgatou a mágica de “Glee”. O segredo parece ter sido as muitas auto-referências à própria temporada de estréia. Will chorando no carro ecoou com o choro de Emma, nos primeiros episódios – mesmo que por motivos diferentes. A música de Journey, marco do piloto, ganhou destaque novamente. Olivia Newton-John e Josh Groban voltaram a participar (no papel deles mesmos).

A entrada de Finn e Rachel na apresentação dos Regionals era o ressurgimento de “Fichel” e uma evolução da entrada de “Don’t Rain on My Parade”, nos Sectionals. O beijo Will/Emma encerrando mais um ciclo; Sue Sylvester novamente sendo Sue Sylvester, com a auto-biografia “I’m a Winner and You’re Fat” (“Eu sou uma vencedora e você é gordo”). E, principalmente, grandes números musicais – com a bela edição da “Bohemian Rhapsody”, do grupo rival Vocal Adrenaline, intercalado com o nascimento da filha de Quinn.

Fichel cantando Journey: começo e fim

O resultado, claro, era o esperado. Alcançar o torneio nacional na primeira temporada roubaria histórias e superações da temporada seguinte. O novo triângulo amoroso com Will Schuester, Emma Pillsbury e seu dentista (ainda não apresentado, mas já escalado) também recria obstáculos para a nova temporada. Com mais dois anos garantidos, é possível planejar a história com calma – mas correndo o risco de perder o ritmo outra vez. O risco, aliás, já começa com o comportamento da Sue no finalzinho do episódio…

Mas, nos 44 minutos anteriores, “Glee” mostrou que sabe se recuperar. Que venha John Stamos!



This entry was posted in Críticas, TV and tagged , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook