“American Idol” sabe que tipo de artista você é (mesmo que você ainda não saiba)


Katie Stevens tenta agradar (foto: Americanidol.com)
Katie Stevens tem 17 anos (sim, ela nasceu em 1992) e ganhou o bilhete dourado para Hollywood depois de cantar “At Last” nos testes de Boston (e compartilhar a história de sua avó portuguesa, que tem Alzheimer). Sim, “At Last”. Sim, aquela música de 1941, gravada pela Etta James em 1961.

Então Katie chegou às semifinais e resolveu cantar “Feeling Good” (sim, aquela de 1965). O vocal não foi lá grande coisa e o visual estava completamente errado, mas a grande crítica da noite foi: “Katie, por favor, cante alguma coisa mais jovem”.

De lá pra cá, Katie vem tentando. Tentando. Tentando. Ainda tem alguma coisa idosa na Katie, mas ela mudou o repertório (Corinne Bailey Rae e Kelly Clarkson nas duas semanas que restavam nas semifinais).

Finalista, Katie escolheu “Wild Horses” na semana Rolling Stones. De todas as versões possíveis, a da Katie se aproximou mais da… Susan Boyle.

Naquela semana, a Kara disse que o melhor vocal da Katie tinha sido “No One” (Alicia Keys) e sugeriu que ela se concentrasse nesse lado “pop/R&B”. Então o Simon resolveu discordar: “Você deveria cantar country”. Country? Pois é, country. A sugestão foi tão estranha que a Ellen completou: “Mariachi” (e o Randy, chegando atrasado para a piada, gritou “Salsa!”).

Agora, no top 11, aconteceu uma “intervenção”: os produtores convidaram Miley Cyrus (também nascida em 1992) para servir de “mentora” dos candidatos. Resultado: Katie foi a única a escolher uma música dos noughties. Eu sei que a incrível escolha foi “Big Girls Don’t Cry” (de todas as músicas que chegaram ao número 1…), mas pelo menos ela se esforçou.

A Kara aprovou e reforçou a sugestão anterior: pop/R&B. Mas o Simon continua martelando na tecla do “country”. Afinal de contas, ele tem certeza de que o problema da Katie é não saber que tipo de artista ela é – e ele está lá tentando dar uma direção.

Mas vamos pensar na trajetória do Danny Gokey, terceiro colocado no ano passado. Quando tinha a oportunidade de escolher qualquer tipo de música, Gokey cantou Marvin Gaye, Seal, Ben E. King, Joe Cocker. Acho que podemos dizer que o Danny Gokey tinha ideia do tipo de artista que ele queria ser.

Aí ele é eliminado do programa, faz a turnê de Idol, assina um contrato de gravação e ressurge cantando isto aqui:

Sim, Danny Gokey agora é country. Você pode dizer que ele cantou Carrie Underwood em Idol, mas era semana Grand Ole Opry. E ele cantou Rascal Flatts na semana Top Downloads, mas tente interpretar a relação entre a música “What Hurts the Most” e alguém que estava reagindo à morte da esposa.

O que aconteceu para que o Danny Gokey virasse country? Bom, ele recebeu uma oferta da 19 Recordings/RCA Nashville. Mas por que a RCA resolveu levar Gokey a Nashville? Alguém pensou que aquele histórico de bom moço (cara religioso que criou uma fundação em homenagem à esposa morta) seria muito bem absorvido pelo público de música country. E o melhor é que o público de música country é fiel e compra discos.

Funcionou para Carrie e Kellie (fotos: Americanidol.com)

Transportando a ideia para a Katie, temos uma garota bonitinha que canta para a avó doente. Temos no histórico de “Idol” Carrie Underwood, uma vencedora country cheia de prêmios e discos de platina. Temos um público que absorveu até mesmo a Kellie Pickler, que não passou do sexto lugar em “Idol”. Temos um momento em que uma garota bonitinha que canta country, chamada Taylor Swift, está dominando o Grammy.

Então… por que não?

Talvez porque, independentemente do que diz o estilista de Idol, o Aaron Kelly não é o David Archuleta e o Lee Dewyze não é o David Cook.

David Archuleta, David Cook, Aaron Kelly e Lee Dewyze: ainda falta muito arroz e feijão...

Talvez porque Kris Allen e Adam Lambert tenham provado que “American Idol” não está mais procurando um vocalista, mas um artista.

Talvez porque eu goste de ver a Kelly Clarkson cantando o que ela quer, mesmo que isso não venda tantos discos.

Talvez porque o melhor momento da noite da quarta-feira foi a Crystal dizer que, entre ouvir o conselho da Kara e o conselho do Simon, ela prefere ouvir ela mesma.



This entry was posted in Críticas, TV and tagged , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook

  • http://www.pipocamoderna.com.br Marcel Plasse

    Luciana, parabéns. Excelente análise.