Adam Lambert ensina como se faz em “American Idol”


J.Lo, Jamie Foxx e Miley: mentores?
Já tivemos Jamie Foxx instruindo os candidatos na semana Rat Pack (S8). Já tivemos Jennifer Lopez com tema latino (S6). Já tivemos a Miley Cyrus (S9). Acho que não é mais preciso dizer que os mentores de “American Idol” não são necessariamente a voz da razão, da experiência ou do talento.

Mesmo assim, muita gente torceu o nariz quando anunciaram que Adam Lambert, segundo colocado da oitava edição, seria o mentor convidado desta semana em “American Idol”. Afinal de contas, o cantor lançou seu primeiro álbum de estúdio (oficial, pelo menos) em novembro do ano passado. Encerrou sua própria participação em “Idol” há menos de um ano. E, ainda por cima, não levou o título! Que conselhos Adam Lambert teria para os candidatos deste ano?

Mas ele tinha muitos conselhos. Apesar de não ter evitado aquele elogio tradicional de que todos os cantores desta temporada são “ótimos” e têm “ótimas vozes”, o Glambert soube apontar pontos que precisam (desesperadamente) de melhoras. Talvez o comentário mais marcante tenha sido a reação à primeira tentativa de Andrew Garcia: “Foi um tédio. Estou entediado”.

Adam Lambert em 2009: alguém aí não entendeu que este momento era especial?Mais do que isso: Adam Lambert conhece muito bem “American Idol” e sabe como usar uma música a seu favor. A grande lição foi a apresentação do cantor na quarta-feira, dia da eliminação dupla. Cantando seu próprio single “Whataya Want from Me”, Lambert mostrou exatamente o que ele fazia em 2009.

Primeiro, escolha uma música que mostre que você não é raso, mas tampouco sofre de dupla personalidade. Alterne um momento delicado com um mais emotivo interpretando a música (e não só para mostrar que consegue).

Comece a apresentação com um jogo de iluminação que crie expectativas e faça as pessoas voltarem a prestar atenção na TV. Sim, eu sei que o Adam Lambert levou o laser para o palco, mas ele já abusava do iluminador de “American Idol” quando era um candidato.

Depois, faça com que o público queira que você se aproxime. Não seja fácil como o Ryan Seacrest, não deslize no palco como o Tim Urban, não faça high-fives com o gargarejo quando ninguém liga pra você. Quando o público estiver aquecido, pode se aproximar – mas não dê tudo não.

Finalmente, termine com aquela glory note. E acerte.



This entry was posted in Críticas, TV and tagged , . Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook