Muito boa essa coxinah cargalao~~11


Ok, assisti Zeitgeist. Como informado em sinopses, é um filme que defende algumas teorias conspiratórias. Sou fanboy do gênero e gostei – o filme legendado em português está aí em baixo ou lá no google video (com opção tela cheia). Claro que teorias da conspiração são para todos os efeitos coisa de maluco, e têm um forte elemento de culto embutido. Ou seja, como alguém que gostou do filme, eu obviamente devo prosseguir enchendo o saco das pessoas para que o vejam. Vou tentar.

Não se pode dizer que a teoria de que o mundo – seus governos, corporações, religiões organizadas e mídias – é controlado por uma classe dominante que representa uma parcela economicamente e politicamente poderosíssima da população é uma teoria maluca. É uma teoria bem consistente, aliás é fato sabido e notório. As teorias que podem ser acusadas de maluquice começam quando se tenta especular quem faz parte desta classe dominante, quais seus motivos e seus métodos. Zeitgeist não se faz de rogado e apresenta claramente suas idéias em três partes: uma atacando o cristianismo usando mitologia comparada, outra denunciando a manufatura de tragédias como o ataque ao World Trade Center com fins belicosos, e a última acusando banqueiros internacionais de filhadaputismo. São teorias que você pode conhecer ou não, aceitar ou não – mas o modo como o filme apresenta argumentos radicais e a própria radicalidade desses argumentos incentiva mais o pensamento crítico do que a absorção burra do que é apresentado. O efeito final é O RLY? Será? e o espectador é encorajado a pesquisar e tirar suas próprias conclusões – como deveria fazer com qualquer documentário, noticiário, reportagem, informação, opinião, etc.

Pessoalmente, eu tenho reservas em relação a boa parte das teorias de Zeitgeist. Sobretudo, o documentário apresenta mitos e mitologias sob uma luz bastante negativa, como mera ferramenta de manipulação – na minha opinião, mitos podem até ser seqüestrados por interesses escusos, mas são uma manifestação natural da cultura humana que podem também funcionar de forma positiva quando entendidos como a ficção que realmente são. O superstar da mitologia comparada que Zeitgeist usa é o autor Joseph Campbell, que nunca enxergou mitos como coisa nefasta só por que são faz-de-conta. Essa e outras ressalvas não diminuem em nada o valor de Zeitgeist, ao contrário. A idéia é essa mesmo – discordar, pesquisar, debater, entender.

A maior novidade de Zeigeist em relação a outros trabalhos similares é a qualidade técnica. É uma produção mambembe cheia de clipes do Youtube e fotografias encontradas no Google, mas a edição primorosa transforma tudo em uma montanha russa visual quase hipnótica (lavagem cerebral?). Abundam efeitos psicodélicos e imagens ritmadas de acordo com a trilha sonora, à moda dos sets de VJs da música eletrônica. Com duas horas de imagens doidas e blá blá blá, Zeitgeist não cansa o espectador em momento algum. O trecho mais lento é a fenomenal introdução, com um longo discurso falado e a tela quase completamente escurecida por vários minutos. Cria-se um efeito que remete mais à tecnicas de relaxamento e meditação do que cinematográficas, em um formato inovadoramente pop. Esta longa introdução culmina com a força de diversas imagens da decadência humana, a besta fera que o filme tenta compreender, atacar, e superar. Tocando em temas casca grossa, Zeitgeist oferece uma perspectiva otimista onde o poder de mudar o rumo da sociedade que produz tantas tragédias está ao alcance de cada um. Basta duvidar.



This entry was posted in Cinema, Internet, Política, Religião. Bookmark the permalink.



Goma de Mascar no Facebook